O MÉTODO BULLET JOURNAL
05.12.2020

Já falei e mostrei tanto o meu Bullet Journal aqui que às vezes essa conversa parece sem próposito, mas eu juro que não é bem assim. Nesses quase cinco anos de jornada, nunca tinha parado para perguntar de onde veio ou quem inventou, afinal, eu faço esse trem certo? Essas dúvidas foram sanadas no livro do criador do sistema, Ryder Carroll: O Método Bullet Journal.

O INÍCIO

Em 1980, Carroll foi diagnósticado com Distúrbio de Déficit de Atenção, sua maior queixa era a falta de foco. Cansado de levar bronca e frustrado por quase nunca conseguir finalizar suas tarefa, ele resolveu recorrer ao seu velho companheiro de guerra: um caderno.
E foi assim que ele conseguiu reunir tudo em um único lugar: agenda, lista de afazeres, anotações e até o seu caderno de desenho; aos poucos ele foi conseguindo organizar sua mente e ficar mais produtivo.

BULLET JOURNAL

Quase trinta anos depois, em 2017, Ryder – agora um designer, mostrou um de seus cadernos para uma amiga no intuito de ajudá-la a organizar sua festa de casamento. Maravilhada, ela insistiu para que ele compartilhasse o sistema com mais pessoas; levou um tempo para acontecer, mais aos poucos outras pessoas o procuraram e ele foi notando que as soluções que ele encontrou para ajudar a si mesmo, eram facilmente ajustáveis de acordo com as necessidades e particularidades de cada um.
Depois de alguns ajustes e melhorias, o método foi batizado de Bullet Journal (BuJo) e ganhou um vídeo explicativo:

Viralizou. E Ryder que sempre se sentiu diferente dos outros por causa do DDA, se viu em uma comunidade de apoio mútuo onde soldados usavam o BuJo para ajudar no tratamento de estresse pós-traumatico e outras pessoas relatavam melhora no Transtorno Obsessivo Compulsivo.

O método Bullet Journal possui duas partes: o método e o sistema; então hoje vamos falar um pouquinho sobre o método, começando pela missão.

MISSÃO E PILARES

A missão do método Bullet Journal é nos ajudar a ter mais consciência de como empregamos os dois recursos mais valiosos que temos na vida: nosso tempo e nossa energia.

O Método Bullet Journal, p. 25

Para que essa missão se concretize o método se apoia em três pilares:

Produtividade: A palavra do ano. O que é ser produtivo pra você? Eu achava que era cumprir o maior número de tarefas possíveis em um dia e por isso sempre me sentia sobrecaregada.
A produtividade tem a ver com estabelecer prioridades e não ceder a estímulos recebidos no momento.

Atenção Plena: Não desista da leitura aqui! Sei que pode parecer papo zen, mas juro que faz bastante sentido. O Bullet Journal é um sistema analógico, ele te obriga a escrever à mão e nesse tempo usamos a atenção plena no porquê estamos fazendo aquilo que estamos fazendo.

Próposito: Por causa de nossas vidas atarefadas, acabamos distanciando nossas ações das nossas crenças. É essa distância que o Bullet Journal pretende diminuir. Para isso, precisamos definir o que é importante, por que é importante e qual é a melhor forma de chegar lá.

Pronto! Agora começamos entender o BuJo, no próximo post vamos falar sobre os materiais necessários!
Beijos e até a próxima!

Nenhum comentário

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

@lumanunesblog