ESCRITA #1: A HISTÓRIA QUE VOCÊ QUER CONTAR
10.04.2020

ESCRITA – Quer escrever um livro? Então, você é capaz. Muito se fala de dom, nunca acreditei nisso e compartilho do mesmo pensamento do escritor Raphael Montes, ele diz: não é dom, é no máximo predisposição.

Uns dias atrás reclamei que minha inspiração tinha sido roubada pelos processos da escrita. Quando eu tinha 19 anos, escrevi um livro e pareceu muito fácil! É um livro bem escrito? Não. Mas fui capaz de escrever 193 páginas, então isso deve valer alguma coisa.

Isso aconteceu porque eu não fazia a menor ideia do que estava fazendo. O Raphael disse a mesma coisa, ele escreveu Suicidas aos 16 anos de maneira bem irresponsável até. Tudo isso fez mais sentido ainda quando li o discurso Make Good Art de 2012 do Neil Gailman (que eu recomendo fortemente que você leia aqui), ele diz:

“As pessoas que sabem o que estão fazendo conhecem as regras, e sabem o que é possível e o que é impossível. Vocês não. E vocês não devem. As regras sobre o que é possível e impossível nas artes foram feitas por pessoas que não tinham testado os limites do possível indo além deles. E vocês podem.”

Voltando ao desabafo (esse post está ficando gigante, mas fica vai ter bolo), contei pro meu amigo que estava frustada porque havia feito um curso de escrita criativa e que a mágica acabou ali. Descobri que escrever um livro é uma fórmula, uma receitinha de bolo. Em contrapartida, continuo acreditando muito na máxima de que não importa qual é a história, mas como você a conta.

Como leitora assídua de romances, isso faz bastante sentido, visto que romances seguem aquela estrutura muito parecida, o famoso clichê. Outra coisa que me confortou foi que meu parceiro de conversa disse que talvez os processos sejam importantes e que eles podem ser ou não conscientes.

Além disso, ele lembrou que o processo é importante para que possamos admirar o trabalho por trás de uma obra e não simplesmente achar que aquilo brotou de um milagre qualquer.
E foi assim que acabei enxergando um pouco mais de beleza nessa parte do movimento (apesar de ainda achar um pouco impeditivo).

Ah, meu amigo tem uma Newsletter bem legal, basta clicar no link da bio do instagram dele para se inscrever.

QUAL É A SUA HISTÓRIA?

Mas vamos para a parte prática desse rolê. Você sabe o que é uma premissa? Simplificando, é o ponto de partida de um raciocínio. Talvez seja um ótimo começo para começar um livro. Sobre o que você quer escrever? Pega um pedaço de papel ai e escreva isso: é um romance? é uma ficção? Você já tem personagens em mente?

Vou familiarizar vocês com dois conceitos e dar o meu exemplo.
Pensata é a ideia principal, o tema do seu livro. No meu caso, a minha pensata é relacionamento abusivo. Toda a história vai girar em torno disso. Escolha uma pensata.

Depois resuma seu livro em poucas linhas. Isso se chama storyline. Olha só a storyline do livro que estou pensando, cuja pensata é relacionamento abusivo:

Quando Love, uma jovem estudante de direito sofre um aborto espontâneo, ela percebe que vive uma vida acomodada, controlada pelo namorado. Ela larga a faculdade e começa viver seu sonho de ser ilustradora. O que ela não esperava é conhecer Brooklyn, um músico que acabou de perder a mãe e que está viajando para tentar se encontrar. Juntos eles vão descobrir o que é amor de verdade.

Então essa é a formula da storyline:
PROTAGONISTA + OBJETIVO + ESPECIFICIDADE + OBSTÁCULO.

EXERCÍCIO ESCRITA

Pensar em uma pensata e construir sua storyline.

Então é isso, espero que esse texto tenha sido útil e que você consiga finalmente tirar as ideias da sua cabeça.
Beijos e até a próxima!

4 comentários

  • Avatar Nathalia disse:

    Adorei. Abriu minha visão sobre o assunto! Na minha cabeça apenas pessoas com dom e com talento para a escrita tinham o poder de colocar no papel romances. Eu como boa pisciana que sou já criei tantos romances na minha cabeça que com essa receitinha de bolo poderia escrever pelo menos uma prateleira de contos e livros.

  • Gostei muito de como você colocou, eu acredito em talento, mas acredito muito mais em esforço. Talento sozinho não leva ninguém a nada se não houver alguma prática. Eu gostei muito do seu exercício e farei quando tiver alguma força kkkk

  • Deixe seu comentário

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    @lumanunesblog