DUPLA IDENTIDADE
14.06.2021

Dupla Identidade – Edu (Bruno Gagliasso) é um jovem promissor, bonito e estudado. O rapaz então logo cai nas graças do governador, primeiro passo para que ele inicie sua carreira política e alcance seu objetivo: ser presidente da República.
Porém, Edu também é um serial killer de mulheres.
(Não é spoiler, acontece nos primeiros minutos da série).

Ray (Débora Falabella) leva uma vida pacata, mas isso muda rapidamente quando ela começa namorar Edu.
Ela é bordeline e tem uma filha pequena, o que torna o relacionamento ainda mais perigoso.
Edu está eufórico e matando cada vez mais, então a polícia começa investigar os casos, para isso o delegado Dias (Marcelo Novaes) conta com a ajuda de Vera (Luana Piovani) – psicóloga forense que estava trabalhando pro FBI e com quem mantém relacionamento conturbado.

O QUE EU ACHEI DE DUPLA IDENTIDADE ?

O seriado é visualmente interessante, bem bonito mesmo. Mas o que me incomodou foi: isso é mesmo um seriado nacional?
O roteiro é muito americanizado, toda hora citando serial killers americanos, sendo que nós temos nossas próprias histórias. Toda vez que eles falavam em Efe Bi Ai kkkk meu coração parava.
Apesar da sensação que era mais do mesmo, eu gostei.

Gostei muito do enredo político e do casamento do governador que virou um negócio, escancarando nossa política corrupta.
Mas para mim, a Ray é de longe a melhor personagem, a gente sentia as angústias dela, todo o sofrimento de amar demais.
Todo o enredo da delegacia era meio cansativo. A americanização e o relacionamento do Dias com a Vera no ambiente de trabalho era meio sem química, além dos diálogos serem mecânicos.

Dupla Identidade é bem produzido; só precisa tomar cuidado, as cenas são fortes e explícitas, então pode causar gatilhos. Vou dar 3 de 5 estrelas.

Nenhum comentário

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

@lumanunesblog No images found!
Try some other hashtag or username