Supernormal
08.07.2018

Três coisas chamaram minha atenção na hora de ler Supernormal: a capa, os quotes que a editora divulgou no insta e o tema. Eu estava conversando uma amiga dias atrás e em certo momento entramos no assunto sobre o que era cis, identidade de gênero, orientação sexual e estávamos afiadas. Em certo momento ela comentou que um colega de classe não sabia o que era cis e isso me deixou pensativa: como toda essa informação chega até a gente?

O livro

Quando criança, Beto tinha um melhor amigo chamado André. Anos depois, Beto é um advogado em ascensão e tudo vai muito bem, obrigado, até ele reencontrar André, ou melhor, Helena. Seu melhor amigo de infância é uma mulher trans e isso faz com que Beto reveja todos os seus conceitos.

Beto é um pouco dramático e confesso que por muitas vezes o estilo de escrita me incomodou, mas o x da questão era exatamente esse: Supernormal veio para cutucar.

Minha Opinião

Fiquei desconfiada quando o Pedro Neschling (sim, o ator!), homem hétero, escreveu um livro sobre pessoas trans, sendo que esse não é o seu lugar de fala. Contudo, me senti bastante contemplada pelos assuntos abordados, mesmo que de forma superficial (o livro tem 200 páginas, galera).

A linguagem é simples e me despertou interesse para buscar mais. Representatividade importa e acho que tornou a informação um pouco mais acessível.

Queria que a infância dos dois tivesse sido mais explorada e em alguns pontos senti um certo tom de generalização. Senti falta de alguns desfechos e também acho que ele abordou assuntos paralelos e por isso acabou falando um pouco sobre tudo superficialmente, sendo que poderia ter focado e trabalhado melhor no tema principal.

Além de abordar a transexualidade e dentro desse nicho: a cirurgia transicional, identidade de gênero e orientação sexual, também há referências ao feminismo e violência doméstica.

O Pedro incluiu muitas músicas e descrições de looks, o que me agrada bastante pois é algo muito presente na escrita dos brasileiros. Eu torcia pro livro ser mais profundo, mas acho que já é um começo.

Supernormal

Autor: Pedro Henrique Neschling Ano: 2018 Páginas: 200 Editora: Paralela Nota: 4/5

2 comentários

  • Talita Paniago disse:

    Um tema que precisa muito ser divulgado. Que bom que existam pessoas dispostas a falar sobre.

  • Luciana Nunes Luciana Nunes disse:

    Abordar o tema com essa leveza nos ajuda a refletir sobre o ser humano que somos, torço para que essa estranheza se torne cada vez mais antiquada, que as pessoas se libertem das cargas desnecessárias.

  • Deixe seu comentário

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    @lumanunesblog