QUERIDO EVAN HANSEN
08.08.2019

Evan Hansen é um garoto que tem 16 anos e mora com a mãe. Seu pai mora em outra cidade e está construindo uma nova família e Evan ainda sonha com sua presença. O garoto faz terapia, toma remédio para ansiedade e escreve cartas para si mesmo que sempre começam com: Querido Evan Hansen, hoje vai ser um bom dia e eu vou dizer por que

Até que um dia, escrevendo uma dessas cartas, ele topa com Connor Murphy, o garoto problema da escola que por acaso também é irmão de Zoe, a garota pela qual Evan é perdidamente apaixonado.

Acontece que Connor acaba se irritando com Evan e leva a carta consigo. Logo depois disso o garoto comete suicídio e a carta é encontrada com ele fazendo com que todos acreditem que Evan e Connor eram melhores amigos.

Evan até tenta explicar o que houve, mas não consegue e acaba sendo engolido por uma rede de mentiras que tomam proporções gigantescas e que melhoram consideravelmente suas relações sociais, ao mesmo tempo que interfere em sua relação com sua mãe.

DEPRESSÃO

Há tantos como nós, almas solitárias…Tentando nos aproximar do centro de tudo. Mais perto de nós mesmos. Mais perto um do outro. Mais perto de algo real.

Não sei nem por onde começar a falar sobre livro tão especial, mas vamos começar falando sobre depressão na adolescência.
Evan toma remédios para ansiedade e também tem fobia social. Por mais que o assunto seja tratado com leveza, é angustiante ficar na cabeça dele.
O livro também mostra o ponto de vista do Connor em partes menores e o que mais me chamou atenção foi como os dois garotos só queriam uma coisa: se comunicar.

Muita gente acha que estar deprimido é ficar em um quarto escuro, chorando. O livro mostra que não é bem assim, que você pode levantar todos, ir para escola, conversar com seus amigos sem que ninguém perceba o que está acontecendo na sua cabeça.

RELAÇÃO FAMILIAR

É o que acontece quando as pessoas partem. […] Elas podem ficar exatamente como você quer que elas sejam para sempre. Perfeitas.

Outro ponto em comum entre os dois garotos é a relação familiar. De um lado, Evan se sente solitário porque a mãe trabalha e estuda e o pai parece se importar só com a nova família; do outro lado Connor cujo a família é unida mais completamente desestruturada.
Evan tem todo o suporte da mãe. Mas ele se sente um fardo pra ela que se preocupa muito com o filho, ao mesmo tempo que não tem muito tempo para dialogar com ele, embora ela tente bastante.
Já Connor acha que sua família é uma piada, já que seus pais acham que podem resolver todos os problemas do mundo com dinheiro.

ABUSO DE SUBSTÂNCIAS

“Se a dor está em você, ela está em você. Vai te seguir por toda parte. Não dá para fugir dela. Não dá para apaga-la. Não dá para deixa-la de lado; ela sempre volta. Pelo que andei pensando, depois de tudo o que aconteceu, talvez só exista uma maneira de sobreviver a ela. É preciso deixar que ela entre. Deixar que machuque você. Não esperar. Ela vai alcançar você em algum momento. É melhor que seja agora.”

Outro paralelo sobre os dois é o abuso de substâncias. Evan toma religiosamente remédio para ansiedade enquanto Connor fuma maconha.
O problema do Connor começou como uma coisa pequena que poderia ter sido evitado com o mínimo de comunicação em casa, mas o mandaram para uma clínica de reabilitação e os escritores até fazem uma crítica sobre até que ponto as clínicas de reabilitação realmente ajudam.

SEXUALIDADE

Esse assunto é abordado de uma forma muito sutil, mesmo assim achei importante citar. Os pais não precisam se preocupar com os temas, pois são abordados com muita responsabilidade, sutileza e respeito.

SUICÍDIO

Esse foi o presente que ele me deu. Me mostrou que eu não estava sozinho. Me mostrou que eu era importante.

Esse é o tema central do livro, tudo começa com o suicídio de Connor. E nos leva a refletir sobre como somos frágeis, principalmente na adolescência, fase de transição em que muitas mudanças ocorrem e a gente fica confuso. O final realmente partiu meu coração. Todo mundo tem uma história, por isso devemos ser sempre gentis com as pessoas, a mensagem principal é muito legal, simples e bonita: você não está sozinho.

REDES SOCIAIS

Querido Evan Hansen, hoje vai ser um bom dia e aqui vai o por quê: porque hoje ao menos você é você e… Isso é o suficiente.

Do dia pra noite, Evan passa a ser popular graças a uma postagem nas redes sociais. Isso faz com que ele se sinta confiante e até mesmo meio invencível. Trabalho muito essa questão de redes sociais com a minha psicóloga, a forma como enxergamos as coisas distorcidas e como é fácil se deslumbrar com esse universo.

Então é isso gente, a resenha ficou enorme, mas achei importante falar sobre isso pra vocês entenderam a dimensão dessa leitura. Acho muito legal como os escritores estão prestando atenção no seu público. Querido Evan Hansen é um musical da Broadway, além de ser uma manual de como sobreviver a essa fase cheia de mudanças e descobertas. Recomendado para pais e filhos.
Querido Evan Hansen apareceu na minha batalha de livros. E eu fiz um vídeo pro instagram, então segue lá 🙂

Beijos e até próxima!

Nenhum comentário

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

@lumanunesblog No images found!
Try some other hashtag or username